ouch

Tenho o pé direito em mau estado. Não me doía muito na prova excepto o tornozelo de entorse ligeiro em treinos, na segunda fico a gemer de dores ao mexer o dedo grande do pé e hoje estou bom para canadianas. Sesamoiditis, penso eu, mas o remédio é sempre o mesmo: descansar. Já tive esta sensação em semanas de muita intensidade, mas muito menos forte do que desta vez. Pode ser que passe depressa.

Abutres 2017 – relato

screen-shot-2017-01-29-at-10-40-13

Abutres, feitos. Tinha previsto entre 8 e 9 horas, fiz 8:32 tempo de chip.

screen-shot-2017-01-29-at-10-35-04

O dia amanheceu gelado em Miranda do Corvo. Fiquei no Hotel Parque Serra da Lousã (http://www.hotelparqueserradalousa.pt/alojamento-4-estrelas-no-interior-do-parque-biologico) que recomendo vivamente. O hotel é novo. Foram espectaculares ao deixarem os atletas hóspedes tomar banho no spa bem depois da hora do checkout e com um pequeno almoço fantástico às 6 am, incluindo bolachas e pacotes de coisas para levarmos para a prova. O hotel é bonito e parece-me um sítio a visitar com mais calma.

Choveu bastante dois dias anteriores mas durante toda a prova até pelo menos às 17h não choveu e até houve sol em vários momentos. Ao sairmos de Miranda começou a chover muito. Tendo em conta que a prova só acabava às 21h, os últimos atletas sofreram muito. Os Abutres (e o UTAX que é na mesma região) são famosos por doses maciças de lama. Esta também teve muita, mas nada de extraordinário comparado com edições passadas.

Pés com tape, o truque me livrou de bolhas até agora, depois da má experiência na UDP. A questão das bolhas torna-se crítica em pisos muito técnicos com pedras, especialmente descidas e com muita água e lama. Contudo o tempo esteve fresco e isso contribui para diminuir a probabilidade. Com tempo quente são bem mais prováveis. Estreia das Salomon Speed Cross 3 em corridas oficiais e foram a escolha certa. Vão fazer-me a primeira parte do MIUT. A sola é muito agressiva e ideal para fixar em paredes de barro liso e escorregadio. Também se livram da água depressa. Tive várias vezes o pé submerso em água e em lama até à canela.

img_1311

A serra da Lousã já conhecia do UTAX, embora noutros percursos. Achei o percurso dos Abutres mais interessante que o do UTAX. O do UTAX pareceu-me artificialmente inchado para fazer mais de 100km. Os Abutres tem tudo na medida certa, é um percurso que senti ser compacto.

lousa

Estas florestas são muito húmidas, há riachos, cascatas, a terra é escura e lamacenta. É um tipo de paisagem pouco comum – digo eu – em Portugal. Os bosques lembram outras paragens mais a norte da europa. Recantos das florestas, os vales profundos, as aldeias, os rios e cascatas, a sensação de isolamento…

Aqui Gondramaz por onde passamos e abastecemos aos 39km.

gondra

Caras conhecidas na partida, é uma prova que atrai os tops.

Fui sem bastões, conselhos do amigo Pedro Batista numa conversa de facebook que já fez isto duas vezes. E com toda a razão. Sou fã de bastões, mas nesta prova são uma má opção. É demasiado técnica. Em muitas situações os bastões são um obstáculo. Os trilhos são estreitos demais, há zonas técnicas em que precisamos das duas mãos, especialmente a descer. Foi a única prova até hoje que fiz em que posso dizer: bastões não.

O arranque deu-se, como é hábito, num ritmo absurdo. E o João deixamo-nos ficar para trás e a comentar um com outro a loucura dos entusiasmados. Impressionante como há atletas que aos 5km estão em grande esforço a trote em subidas quando ainda faltam 45km de prova e mais de 2500 metros de acumulado. É assim em todas as que vou, no MIUT fui eu que cometi esse erro e paguei com o meu DNF. Por vezes deixamo-nos levar e não queremos ficar na cauda da corrida. Mas aqui eu tinha medo de ter quebras enormes e por isso encarei a prova como um treino, indo ao meu ritmo, sem pressão de tempo. Aos 13km em Vila Nova estava na classificação 413 (em 600 atletas). Terminei em 303, apenas porque tive um ritmo estável durante toda a prova, não acelerei na segunda parte. Só não quebrei. Quase todos os atletas que passei tinham simplesmente quebrado e já não conseguiam correr bem em planou ou descidas normais. O segredo destas coisas é conseguirmos correr onde é para correr do princípio ao fim da prova num ritmo estável. Não é ganhar 2 minutos numa subida indo a trote em vez de andar nos primeiros 20km para depois fazer os últimos 20km passo de caracol  e a ver tudo escuro.

Não sou eu na foto, mas é só um exemplo do tipo de trilhos.

screen-shot-2017-01-29-at-10-55-19

Esta prova encaixou na perfeição no meu perfil, técnica nas duas descidas principais, com single tracks de sonho, alguns a obrigar a uma constante ginástica. Quem pensa que correr trail aqui é “correr” com as pernas… temos de usar os braços, passar debaixo de troncos, deslizar por pedras, saltar… Trilhos bem divertidos, parecia playstation. Tenho os ombros e os braços doridos.

Mas aqui talvez um dos pontos negativos esta prova: muita gente, especialmente quando se misturam os atletas dos 30km (dorsal verde) na parte final. Não sei como resolver isso, mas é chato não poder descer (ou subir) à vontade e ter sempre gente a atrapalhar o rimo por causa do medo. Sublinho medo. Numa prova normal o grupo estica e deixa de ser um problema, mas aqui com esta injecção de atletas dos 30km a meio da prova, vamos até ao fim a lidar com isso. O problema dos Abutres é que como é técnico, faz as pessoas bloquearem mentalmente com medo, e como os trilhos são mesmo muito estreitos, não é possível ultrapassar em grandes extensões a não ser com a cooperação do atleta ultrapassado e aqui  lidei com alguma falta de etiqueta de trail running, mais pronunciada nos atletas inexperientes. A maior parte não tinha problema em ceder a passagem mas houve excepções. Eu não sou forte nas subidas, pelo contrário, se não ganhar tempo a descer, torna-se complicado. Sou competitivo na minha escala. Corro contra mim. Não faço 500km num fim de semana e treino horas a fio para fazer hiking em família ou no convívio. Cedo passagem sempre por respeito aos objectivos e às provas dos outros. Por vezes atletas trocam de posição numa prova várias vezes e cooperam. Detesto sentir que estou a atrapalhar o ritmo de alguém, muito menos de um grupo de pessoas. Além disso gosto de ir depressa em descidas. Único ponto menos positivo, levou a situações de tensão em que me via forçado a travar e a pedir licença.

Gostei da organização da prova, extremamente bem sinalizada, tudo bem organizado, vê-se que é uma máquina bem rotinada. O percurso é inteligente e nunca chega a enjoar por ser repetitivo, embora aí entre na equação ter feito algumas provas de mais de 100km. Começamos a relativizar mentalmente e o que parece longo, vai tornando-se mais curto, o que parece difícil, torna-se simpático.

Não me aborreci em nenhum momento da prova, nunca tive a impaciência de “isto nunca mais acaba?” ou “nunca mais entro numa destas”.

Outro ponto, a qualidade dos abastecimentos é muito boa, assim como a prontidão dos voluntários. Recomendo sem reservas esta prova para qualquer pessoa que se queira estrear num trail mais longo e de qualidade. É superior a outros trails que fiz de distâncias parecidas ou menores. É um percurso inteligente e com sensibilidade e personalidade, com alma. A meta é gira, no pavilhão / mercado, cheio de gente.

Estou gordo para os padrões e senti mesmo esse peso, essa gordura, não ajuda nada… Mas fora isso, comi imenso e nunca tive uma quebra de energia grande. Fui constante e em paz. Hoje, dia seguinte, estou a 100% tirando uma dor no tornozelo direito de um entorse num treino a semana passada. Se a dor passar, a meio da semana já estou a treinar de novo.

O meu último km foi a 5:27/km em plano e contra vento, isto diz bem de como estava “bem”.

screen-shot-2017-01-29-at-10-36-31

Fazer um km a 5:27 depois de 8 horas e meia a mexer-me non-stop é fixe. Tudo porque vi uns tipos a correr lento e meti na cabeça que os passava e passei. O meu palpite é que numa prova de 100km ou mais teria feito uma boa classificação, no primeiro terço dos corredores. Não acabei na reserva. Acabei perto do meu amigo João, o que é raro há muito tempo, só uns 10 ou 15 minutos depois dele. Mas aí suspeito mais que ele esteve mais descontraído do que eu, que até comeu uma bifana e bebeu a mini no Posto de Vigia.

Senti-me muito feliz e emocional ao terminar, a prova é dura e exige uma concentração elevada o tempo todo, é raro dar para desfocar e viajar. Também tinha saudades da minha filha, precisava de tomar banho, meter-me no carro, voltar, ir ter com ela. Volta e meia pensava nela e acelerava. Foi um bom treino para o MIUT e tenho muita margem para melhorar, a começar pelo peso. Também foi o regresso ao trail desde a Ehunmilak. Não sei se volto a correr estrada, só se o trail me fizer ser maratonista sub 3h naturalmente, porque isto é bem melhor. Gosto cada vez mais de Portugal e dos nossos sítios.

lb

Ano 2017 – objectivos MIUT e UTMB

Pois é, bati no fundo, mas fui salvo por um pequeno milagre que foi ter sido sorteado para o UTMB, com o meu amigo João (inscrevemo-nos em conjunto). Não o esperava, era a nossa primeira tentativa. Hesitei antes de me inscrever porque sentia que 2017 não ia ser um ano em que eu estaria no topo da forma e o UMTB é para mim uma prova que se resume a competir. Naquela zona há provas bem mais “sossegadas” e que permitem absorver a natureza e as vistas com outra tranquilidade que não a de milhares de corredores do mundo inteiro. Sempre me vi como explorador de provas mais exóticas e interessantes. O UTMB era uma que queria fazer quando estivesse no topo da forma, à custa de correr provas um pouco por todo o mundo. Contudo, apareceu já, por isso em Setembro quero ser o melhor corredor que alguma vez fui.

Estou assim inscrito nos Abutres (dia 28 de Janeiro), no MIUT (22 de Abril) e no UTMB (1 de Setembro).

O ponto de partida é duro. Meses sem correr muito, apenas um ou outro treino, Estou com 5 quilos a mais face ao meu racing weight. Massa gorda nos 15.5%-16% quando já esteve nos 12%. Sinto-me dolorosamente pesado, cheio de banha na barriga, algo que sinto mexer quando corro ou pedalo. Não foi só não correr. No treino de estrada para a maratona o foco foi sobretudo em velocidade. Deixei pois de fazer treinos gigantes de 4 horas em ritmo baixo que ajudam a torrar calorias. Ainda hoje de manhã com este frio e vento fui treinar e foi um pouco triste ver um pace de 5:45 com o coração a 160bpm, ou seja, muito lento. Um pouco cansado porque mesmo assim fiz 28km com 1700m de desnível em Sintra no domingo e porque andei com a minha filha de bicicleta para a escola dois dias consecutivos, o que significa 8kms de cada vez a puxar um peso considerável no reboque cougar chariot, apanhando umas subidas interessantes na belavista. Mas tudo isso foi graças ao UTMB, à pressão.

Com os Abutres já aí à porta, vou sofrer bastante, mas vou encarar como um treino longo. Mesmo no treino deste domingo não acabei “bem”. As pernas já recuperaram a resistência ao desnível mas com mais quilos em cima e muito em baixo de forma, não dá para em pouco tempo inverter isto. Uma coisa importante que percebi – já vou tendo alguma experiência e registo de dados – é que o meu declínio aconteceu em duas coisas específicas. A primeira foi o ganho de peso e perda de alguma massa muscular, o que tem um impacto tremendo. Outra foi a desregulação metabólica. O meu corpo perdeu a capacidade que tinha de metabolizar gordura rapidamente quer devido à ausência de treinos muito longos e lentos – algo próprio das ultras e que não treino desde a Ehunmilak, quer pelo sedentarismo e maus hábitos da pausa após a maratona do Porto. Assim, tenho quebras de energia constantes e fome durante um treino. Já estou a recuperar, ontem quase não jantei e hoje em jejum fiz 8km clássicos sem sentir uma quebra. Tenho de ver coisas positivas nesta pausa, o meu corpo por outro lado recuperou. Já não tenho dores no entorse que tinha há um ano no pé esquerdo por exemplo.

O ajuste de contas com o MIUT devia ter bastado para me motivar, mas não chegou. Faltava um sinal divino e o sorteio do UTMB foi esse sinal. Em poucos dias fiz mais transformações que em muito tempo antes. Cortei com álcool e bebidas açucaradas já faz quase 3 dias e planeio consumir apenas em ocasiões especiais (jogos do Benfica) e sociais . Treino algo todos os dias: corrida, bicicleta ou ioga / exercícios de core. Voltei a fazer o meu próprio pão enriquecido – hoje foi farinha integral com muesli de avelãs, passas e manteiga de amendoim. Só janto proteína e vegetais. Introduzi bloqueadores de acesso a websites e à internet com uma aplicação chamada SelfControl para me fazer aproveitar mais o tempo em que estou sentado numa secretária para trabalhar e reduzir ao mínimo as distrações e ter mais tempo físico (de 1h em 1h levanto-me e faço algo físico). Criei um calendário numa aplicação chamada Asana onde misturo a vida profissional com a pessoal e os treinos, pois a logística de pai separado obriga a muito improviso misturado com planeamento. Estou a reduzir cafeína em força (estava nos 4 cafés por dia) para dormir o melhor possível. Zero sal. Estou a ler o Correr ou Morrer do Kilian Jornet. Tenho o objetivo, não sei como, de consistentemente fazer perto de 100km por semana quando chegar a Março. Penso meter-me no yoga. Reduzi ao mínimo a vida social desencaminhadora. Meti de lado passatempos como a fotografia. Até setembro vou viver o tempo livre como um atleta porque me calhou o UTMB e não quero apenas acabar, quero fazer uma prova boa e orgulhar-me dela. Quero também terminar o MIUT e fazer uma boa prova.

Vou procurar voltar a escrever aqui. Aliás, ter escrito isto depois da paragem já é um sinal da minha motivação. Vamos a isto, descobrir o corredor que há em mim, o melhor corredor que há em mim. Posso matar-me com maus hábitos depois, celebrar, afundar-me. Mas se tive a sorte do sorteio tenho de a honrar e agradecer com humildade. UTMB aqui vou eu.

 

 

crónica de uma morte anunciada (Maratona do Porto 2016)

Desisti pouco antes do km 30.

screen-shot-2016-11-06-at-21-12-31screen-shot-2016-11-06-at-21-12-56screen-shot-2016-11-06-at-21-13-12

Aquilo de que os kamikazes são feitos. A minha desistência começou há 4 meses quando achei plausível fazer sub 3h. Essa impressão, talvez fruto da euforia de ter feito a minha primeira de 100 milhas ou ter feito duas maratonas de estrada em 4h e 3h30 levou-me a inscrever-me na maratona do Porto de 2016, pensando que poderia fazer sub 3h.

Eu conto fazer talvez mais 3 maratonas de estrada até ao fim da minha vida. São muito duras e não me dão prazer especial, embora sejam marcantes (já lá vou) a nível de evolução. Depressa percebi que não faria sub 3h, e pensei em sub 3h15, embora algo contrariado. Não me teria inscrito sabendo-me tanto no limite de conseguir tirar “apenas” quinze minutos. Treinei 4 meses fazendo o plano de maratona nível 3 (avançado) da garmin, envolvendo treinos bi-diários e muita insistência em velocidade e lactate treshold, na capacidade do corpo ter endurance para aguentar regimes fortes.

A verdade é que todos os testes que fiz me disseram que não conseguia fazer sub 3h15. E até no dia da maratona, naquela manhã fria, linda e solarenga no Porto, ponderei, discuti comigo mesmo e com o amigo Pedro Paulino que também foi, se devia ir para algo como 3h20.

Nota: para fazer uma maratona sub 3h15 o pace por km é 4:35. Para fazer próximo de 3h20 o pace é uns muitos mais lentos 4:45… uns míseros 10 segundos por km.

O meu raciocínio construiu-se em:

  1. eu não me teria inscrito se me tivessem dito que ia fazer 3h20.
  2. eu eventualmente vou fazer uma maratona abaixo de 3h num ponto qualquer da minha vida
  3. eu não vou aprender nada de novo se correr dentro dos meus limites
  4. Acredito em milagres, sou uma pessoa espiritual.

Estas  4 premissas fizeram-me decidir por tentar 4:35/km. Sub 3h15. Parti do portão A, reservado ao pessoal mais sério que faz menos de 3h15 e as boas notícias é que nem uma vez me senti atrapalhado (numa maratona com 5000 participantes é uma boa notícia). As más notícias é que durante todo o tempo em que corri não ultrapassei quase ninguém, pelo contrário.

Fui com o monitor cardíaco. Penso que 588 é o meu suffer score mais alto de sempre. Estive 30 minutos no total em anaeróbico, com a frequência acima de 173, a fronteira objectivamente medida nos testes de lactato que fiz antes da ehunmilak.

screen-shot-2016-11-21-at-09-17-06

Não sou propriamente inexperiente nas maratonas e na corrida de estrada. As sensações que tinha no corpo e o relógio diziam-me claramente que era um ritmo insustentável. Mas consegui apanhar o pacer das 4:35. Os kms 2,3 e 4 fiz a 4:29, 4:20 e 4:15 para o apanhar. O meu coração já ia disparado. Era absurdo para mim. A minha maratona anterior tinha sido feita a 5:00/km. Estava com a sensação de ir a sprintar. O meu coração a 175bpm quando para ser realista acabar a prova não devia ir a mais de 165 nesta fase da prova, idealmente nos 150s…

Então por que razão não abrandei logo? Se calhar porque mesmo assim continuei a acreditar num milagre e estava a gostar de ir naquele pelotão das sub 3h15. Acabando em menos de 3h15 fica-se nos primeiros 500 corredores de uma maratona de 5 mil corredores. Estava a tentar distrair-me do sofrimento vendo o magnífico Douro, as pessoas a aplaudir, o céu azul, Porto, Gaia, detalhes pequenos…  E acreditei até ao km 16. Altura em que me comecei a afastar-me do pelotão e a ficar exposto ao vento contra. Aí tomei a decisão de esquecer as sub 3h15 ou nem acabava, mas foi tarde demais.

O choque psicológico de ver o grupo a afastar-se, e isto quando só reduzi 10 segundos por km, foi duro.

Depois veio a parte mais dura do percurso, o cais de Gaia. Um empedrado muito grosseiro e anguloso, pedras enormes sobressaídas, um piso completamente assassino para as minhas new balance minimais, mas que teria sido assassino com qualquer calçado de estrada. Grande parte dos corredores seguia pelos passeios no meio das pessoas quando se podia. Empedrado normal já custa bastante, mas quando as pedras estão todas desconjuntadas é tortura. Comecei a sentir bolhas nos dois pés. Por fim quando saí do empedrado tinha feito os últimos 2km a cima dos 5:00 e estava cheio de dores. A faltar 12km ainda, com dificuldades já para me manter nos 5:00/km, adivinhei um calvário brutal para fazer 3h25 na melhor das hipóteses.

Reflecti pouco tempo, não foi preciso pensar muito e encostei à box. Não teve qualquer efeito psicológico danoso.  Estou de facto mais rápido e não tive uma desilusão porque não tive propriamente uma ilusão antes.

De caminho tirei seis minutos à minha anterior meia maratona e mais uns quantos recordes.

screen-shot-2016-11-06-at-21-12-38

Dei tudo o que tinha até bater num muro e isso também foi importante. Ao contrário da minha desistência no MIUT, aqui não houve factores como enjoos e afins. Só esteve em jogo uma variável: o ritmo imprimido por mim. Confirmei certos limites e isto serve de referência. O shutdown nesta prova deu-se ao nível das pernas, ficaram cansadas e rígidas, sem força.

Só me volto a inscrever numa maratona quando tiver mais a certeza do tempo que posso fazer. O ideal é fazer mesmo uns testes, ver o que acontece, e se achar relevante inscrever-me, inscrevo-me. Isso não vai acontecer até eu pulverizar 3h15. Pode ser daqui a 2 anos, 3, 4… não sei.

Não me arrependo de me ter inscrito. A estrada permite uma evolução muito forte. Aprendi algo importante que esteve também na base da minha menor evolução em estrada de 2014 para 2016. Corri estrada sempre a pensar em ultras e trail. Não treinei velocidade nos pontos críticos que o plano de maratona de nível 3 trabalha e quero ver se mudo isso. O

Mas até Abril já tenho dois objectivos bem mais divertidos. E o meu plano para eles, inventado por  mim, terá por base 2 treinos semanais chave, o longão do costume com muitas horas e muito desnível em sintra baseado em variações do STE (25-30km com 1500m de desnível) e, novidade, um de séries / velocidade / rampas. Os outros treinos da semana havendo tempo serão só para meter kms em muito baixa intensidade. Mas mesmo muito baixa, para permitir a recuperação e regeneração destes 2 treinos chave.

Venha 2017!

abutresmiut2017

Primeiro teste a 4:35 – fail – 3:15 demasiado ambicioso? :(

Ontem o meu treino era suposto ser um 60′ fáceis + 60′ marathon pace que o plano define ser em Tempo, ou zona 3. Fiz os 60 fáceis num ritmo surpreendente, mesmo com kms a 5:07 ou 5:04, sendo que o ritmo cardíaco nem passava os 145bpm. Deu-me muito ânimo porque antevi uma boa maratona, visto que com mais repouso até lá parece que se vai revelar um novo motor. Portanto, ao km 12, quando iniciei a segunda parte dos 60′ a 4:35 não me podia queixar de vento, cansaço ou outra coisa. Sabia que não ia para a zona 3 Tempo, mas sim já bem na 4 do treshold.

 

screen-shot-2016-10-17-at-09-16-48

Bem, ao fim de apenas 15 minutos neste ritmo já era difícil baixar das 170 batidas sem comprometer o tempo e a sensação física era muito desagradável. Percebi depressa que não podia tentar fazer os 60 minutos neste ritmo. Seria um treino demolidor pelo menos para já, seria ainda mais duro que uma corrida de 10km no limite e esta semana tem carga. O próprio plano previa 60 fáceis e 60 em tempo, não em treshold.

Posso admitir que conseguia ter feito mais 30 minutos, mas o nível de sofrimento estava demasiado elevado e pareceu-me implausível querer sequer passar por isso ao longo de 42km. Enquanto escrevo isto não sei ainda que objectivo ter na maratona. Sei que se fosse realista diria 3h19 minutos, fazendo a prova ligeiramente abaixo de 4:45.

É ridículo como 10 segundos por km fazem uma diferença tão grande. O que me chateia mais é que não teria tentado a maratona se tivesse a certeza de nem fazer sub3h logo para começar. Sub 3h15 é um objectivo muito ambicioso, e ainda acho que valeria a pena. Fazer 3h19 melhorando em 11 minutos o meu anterior tempo, nem por isso.

Eu só queria fazer maratonas de estrada quando bater o meu tempo anterior de forma significativa fosse natural e considero que os 3h30 em málaga foram um excelente exemplo. Idealmente só correria uma maratona de estrada de 2 em 2 anos no máximo. Até gosto de correr a maratona, mas os treinos são massacrantes. Devo admitir que é talvez por ter deixado de correr estrada tanto tempo que não evoluí tanto como esperava. Ou seja, evoluí muito no trail, tendo completado uma ultra de 170km e 11 mil metros de desnível no top 30% da classificação e sentindo-me “bem” no fim. Mas em compensação não evoluí em velocidade e na capacidade de aguentar ácido láctico ou regimes cardíacos elevados.

Mais uma vez aprendi muito. Penso que posso transportar algumas das conclusões deste ciclo para os próximos de trail. A principal é a inclusão de um treino de velocidade em asfalto em qualquer semana de treino e medir. Ou seja, medir estes paces por km, de forma objectiva e relacionar com o ritmo cardíaco. Isto também evitará que me volte a meter numa maratona sem ter a certeza de rebentar o meu anterior recorde.

Sei que quanto mais próximos do nosso limite mais exponencial se torna o esforço. É impressionante a sensação de correr a 4:35 tanto tempo, sem descanso. Tenho ainda a vaga esperança que o meu corpo acalme e aceite esse pace, que parte disto seja “acreditar”, convencer-me que é possível. Para a semana há outro igual. Não sei ainda se tento com os 4:35 de novo ou se afino já os 4:45.

 

3h15 na maratona – objectivo e tolerância ao sofrimento

Hoje um duríssimo 15’easy + 6x1000m + 15’easy. Fiquei muito surpreendido com os resultados que só analisei no fim do treino. Para já, a primeira série de 1000m feita a 4:01 e a segunda a 4:06… o que é isto? Com vento e no EUL! O meu equivalente há um mês era 4:20-4:35
treino

Isto foi crítico. Foi um treino que me mostrou que mesmo sendo muito difícil 4:35 numa maratona, não é implausível. É estranho para mim ver estes números. E assustador porque me comprometem com esse objectivo e isso é um problema para mim. Sou capaz de, como em Madrid, fazer um último quarto de prova num nível de sofrimento extremo. Notei que o que mais evoluiu desde Málaga foi apenas o meu maior à vontade com essas sensações que dizem “abranda” mas às quais desobedecemos. É a fazer este tipo de treinos que o nosso corpo se habitua a processar ácido láctico e a ganhar capacidade de o processar numa corrida mais longa, ficando mais imune à sensação de exaustão.

Meia Maratona do Dão, teste de pace

Este domingo corri a meia maratona do Dão em Viseu.
screen-shot-2016-09-26-at-11-21-03

Foi uma prova algo complicada pelo desnível. No sábado num passeio pela cidade, ao ver várias marcações e cancelas em ruas com desnível, percebi logo que seria para esquecer qualquer tentativa de perceber se aguento um pace sub 4:37 (para maratona sub 3h15).

Além disso a prova teve vários troços num empedrado irregular muito difícil e massacrante, mesmo em plano. Nada de errado quanto à prova, é bonita, bem organizada e conhece-se Viseu. Simplesmente não é a prova ideal para quem procurar bater PR’s de meia maratona. Fiquei mesmo assim contente de o ter feito.

Nos registos nem chegou a 200 metros de desnível para 21km, mas para o objectivo de medir pace, é demais. Em todo o caso, não a corri como uma “meia maratona”, mas sim como os primeiros 21km de uma maratona – excepto os últimos 1000m em que sprintei, como se pode ver pelo gráfico abaixo.

screen-shot-2016-09-26-at-11-25-11

Antes da prova já tinha programado o relógio para ter só 3 números: pace instantâneo, heart rate e distância. O objectivo foi surfar no limite do esforço e ver se na maratona do Porto aguento ritmos cardíacos próximos de 170 bpm durante 3h e 15.

screen-shot-2016-09-26-at-11-22-03

Pelos vistos é possível, mas é mesmo mesmo no limite.

screen-shot-2016-09-26-at-11-23-19

No fim da prova dei um esticão só para ganhar umas posições. Sei que fui no limite, mas senti que teoricamente podia aguentar mais 21km naquela intensidade. Teoricamente…

Não consigo por isso dizer que sim, nem não à maratona 4:37. Terei de fazer um teste num treino longo em condições planas e sem vento.

Também tenho de ajustar os ritmos cardíacos dos treinos…