hoje, boost de confiança

Desde o MIUT e especialmente desde o Sintra Magic Mountain Trail e da semana com mais de 100km e 6000m de desnível em treinos, que nunca mais fui o mesmo. Tenho um enorme cansaço – para além de um entorse no tornozelo esquerdo que afinal era mais chato do que parecia, ao ponto de eu o ter ignorado e preferido concentrar-me numa dor no joelho esquerdo que desapareceu em 3 ou 4 dias…

A sensação é nítida em escadas, no dia a dia, por exemplo, no metro. Quando estou fresco, consigo subir os lances de forma leve. Quando estou cansado, apetece-me ir nas escadas rolantes. Na bicicleta é nítido o cansaço também.

Mas os dias foram passando e fui-me contendo. No fim de semana passado fiz apenas perto de 20km algo rolantes na minha região. E hoje optei por não fazer um STE Remixed completo, nem o XXL, o que teria atirado o treino para as 4h:30.

Em plena hora de mais calor, decidi fazer perto de 3h em sintra numa versão um pouco mais light, com menos 4 ou 5km e menos 2 subidas, ficando nos 21.5 e 1300, em vez dos 28km e 1800 habituais.
Screen Shot 2016-06-26 at 18.34.18

Ainda sinto esse cansaço dos treinos, a 2 semanas da Ehunmilak, terei tempo para recuperar agora, com calma. Mas senti que estava a revelar uma fotografia, um novo eu pós-MIUT, pós-Mountain Trail e pós muito desnível neste percurso ultra técnico.

Screen Shot 2016-06-26 at 18.35.27

A certa altura apercebi-me que como ia encurtar o treino para 3h, podia tentar bater os meus PR’s nas piores subidas… E consegui, com bocados a trote e tudo, como gente grande.

Screen Shot 2016-06-26 at 18.35.20

O PR no DH Morangos do

Screen Shot 2016-06-26 at 18.34.49

Mas o mais importante foi o recorde no segmento que eu próprio criei, o Subida 2 STE, com 2.2km e 330m de desnível positivo muito técnico. É uma subida que faço desde 2014.

Desde o MIUT (abril 2016) os meus tempos foram indo por aí abaixo. Fi-los em modo descontraído Ehunmilak, mas não obstante, sentia-me muito cansado. Por isso soube-me muito bem hoje, mesmo cansado e ressacado de ver o jogo de Portugal ontem, bater este PR com alguma facilidade (ok cheguei lá acima sempre de língua de fora).

Screen Shot 2016-06-26 at 18.47.33

Também reparei num tempo próximo em 2015, a 2 de Maio. Fui ver e foi pouco antes da Transvulcania. Estava num pico de forma e foi o meu run de teste:

https://ultramaratona.wordpress.com/2015/05/02/e-pronto-os-dados-estao-lancados/

Interessante a utilização de um diário de treino. Fui reler o relato desse treino. Não foi muito mais curto que o de hoje, podem ser comparáveis. Queria saber como é, agora eu milhares de kms de pois, com mais ultras e experiência, e só rapei um mísero minuto a esse tempo. No relato percebo que estava fisicamente bem. Quando penso no contexto da Transvulcania, creio que veio na sequência da maratona de Málaga e tinha pouco cansaço. Mas tinha dores:

“dor muito forte no dedo grande do pé esquerdo, o do entorse, mais ou menos na ligação do osso do dedo ao pé (não sei que raio de nome se dá).” – exactamente a dor que senti há uns tempos no seguimento do MIUT. Mas continuei a correr e passou. Na Transvulcania nem me incomodou.

Premonitório:

“pela primeira vez desde que corro e mesmo com uma ultra de 80km: uma bolha. Mas uma senhora bolha no calcanhar. Aos 15km já dei por ela.” –

 De facto tive bolhas a sério no final da Transvulcania, embora não tão graves como viria a ter a UDP. Nunca mais tive bolhas desde então e se não tive no MIUT, penso que já passei aqui uma fronteira. Não é apenas a boa colocação de fita kinesio, mas tem muito a ver com a “running form”, a forma como corremos em termos de biomecânica, postura, passada, técnica. Um corredor mais experiente tem sempre uma passada mais leve e discreta, muitas vezes com uma cadência superior. Baixa o centro de gravidade, flete as pernas nas partes mais íngremes. Também coloca melhor os pés, com mais agilidade e flexibilidadde. Um corredor mais principiante tem normalmente uma passada mais pesadona e bruta, em que os músculos fazem menos efeito de amortecedor e os pés apanham com mais pancada

Bem, agora é ir com calma até ao dia da prova. Quanto maior a distância, maior deve ser o taper. Melhor do que sou hoje já não vou ser. Mas posso ser menos cansado.

 

 

 

 

 

Advertisements

One thought on “hoje, boost de confiança

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s