trepador e voilá, over-reaching

Segundo dia consecutivo a treinar com os Esquilos, segundo dia a acordar às 5:30, não dormir suficiente. Treino duro para mim.
treino1treino6

É um percurso excelente este, e bom para treinar desnível em Monsanto, 400m em 10km (4%) embora as rampas curtas (excepto o “cozido”) e opercurso mais “curto” com 10km favoreçam um ataque mais intenso.

treino4

Actualizei recentemente as minhas zonas cardíacas do Strava, o que aqui está é fidedigno. Como se vê, muito longe do ritmo Z2 moderado, com 36% do tempo no limiar ou anaeróbio, quando hoje o ideal para mim teria sido um base com 100% em Z2 e algum Z3 em subidas a andar, depois das rampas.

treino3

Senti-me muito cansado e pela primeira vez não acompanhei o grupo da frente em grandes secções, impossível. O Strava tem esta coisa espectacular agora, como o trepador é tem sempre o mesmo percurso, ele reconheceu que eu já o fiz uma vez, em abril antes do Transvulcania, quando já me encontrava no pico que espero atingir em Setembro, um mês antes do utax. E confirma-se, fui bem mais lento hoje, a 6:41, quando fiz 6:14 em abril. Claro que hoje o grupo era muito maior e houve mais pausas, mas mesmo assim, a sensação de esforço percebido foi enorme (e de ritmo cardíaco).

treino2

Portanto, estou em over reaching ou algo assim. É um dos problemas de treinos conjuntos, são motivadores, mas às vezes não calham perfeitamente no que seria ideal para nós. Nesta fase tenho de meter volume. Fazer este treino e as rampas ontem, impediu-me de treino bi-dário mais longo e hoje fazer outro bi-diário. Devo descansar.

Amanhã o treino com os esquilos é moderado aparentemente, por isso creio que hoje não corro e tento a proeza de correr amanhã de novo com eles. Podia preferir correr no meu bairro (e depende de como me sentir ao acordar), mas  o desafio será mais acordar de novo às 5:30 am, mas também acredito que se conseguisse ser consistente e fazer o shift do horário de sono para mais cedo, isso podia facilitar muita coisa e melhorar a minha vida em geral. Já tive tempos em que consegui isso e era melhor. Não digo 5:30, mas se for fácil acordar às 6:30 isso ajuda-me até nos dias em que tenho a filhota e preciso de a preparar para o dia.

Advertisements

5 thoughts on “trepador e voilá, over-reaching

  1. Nos treinos madrugadores, o que me faz mais espécie é como é que os corredores lidam com a nutrição. Por exemplo, eu não consigo correr sem ter passado pelo menos uma hora desde que comi alguma coisa, e apesar de já ter treinado em jejum em treinos muito leves, não é coisa que goste de fazer com regularidade. A minha questão é: para treinar às 6 da manhã, o que é que comes antes e com quanto tempo de antecedência é que tens de acordar para gerir isso? (É que se fosse só acordar, levantar e sair porta fora até não me custava acordar muito cedo, mas acordar, levantar, comer e ainda esperar uma hora até poder correr parece desperdício)

    1. Não como quase nada, maior parte das vezes é um café com açucar e uma barra de cereais ou um sumo de laranja, mas pode ser em jejum quase completo se for um lento. Estes por acaso são puxados, mas não é mau treinar essa sensação de “bonking” que se sente aos 30km 🙂

    2. Há um ano atrás fiz a mesma pergunta por isso dou-te agora a minha resposta: acordo às 5h35, visto-me, como duas bolachas Maria e um copo de água e está a andar. Não me falta energia para 10km/1 hora, mesmo com desnível.

    3. e mais uma coisinha, isso tem mais a ver com o acordar do que propriamente com as calorias. É normal sentires-te letárgica ao acordar muito mais cedo do que costume. O teu corpo está com o metabolismo de sono e tu a pedires-lhe para correr… com o hábito isso muda, mas há pessoas que são mais evening do que morning 🙂

  2. Hmmm, certo. Sou muito mais evening person mas ando a fazer os meus long runs cedinho ao domingo porque a maratona será cedinho a um domingo, daí a minha dúvida. Na última vez foi terrível, estive o treino quase todo em modo zombie, só queria era parar e deitar-me ali um bocadinho à beira da estrada a dormir, se bem que isso teve a ver com as poucas horas de sono, não com o que comi antes. Os outros treinos costumo fazer ao fim da tarde. Hei-de experimentar as duas bolachas Maria em treinos de menor duração que as long runs, para ver se consigo começar a treinar mais de manhã.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s