heavy rain

Treino de “treshold run”: 25′ fáceis + 20′ treshold + 25′ fáceis, feito debaixo de chuva e muito vento.
treino

O treino não tem grande coisa de relevo, fui bastante lento nos 25′ fáceis e nos 20′ treshold só consegui elevar o coração acima das 170bpm para o fim. Foi engraçado ter-me cruzado com uma grande corredora debaixo daquele temporal. Podia ter-lhe atirado um piropo atlético que, como toda gente sabe, são piropos que os atletas em treino atiram uns aos outros, algo como “que rica passada, com essa biomecânica também eu batia PRs no Strava todos os dias!” De resto, enquanto mais um dilúvio se abatia sobre mim (não em específico, mas eu inclusive), ocorreu-me que os dois momentos mais difíceis de qualquer treino são o momento inicial em que saio da cama cedo para treinar se está a chover ou frio e os últimos intermináveis minutos (às vezes segundos) de treinos mais duros. Tudo o que está no meio é um pouco automático, mas o mais difícil mesmo é sair da cama para um treino. É conhecido o efeito positivo que a corrida tem em tratar depressão, embora a corrida encerre em si uma contradição difícil de resolver precisamente por este momento zero ser o mais complicado e porque um dos sintomas da depressão se manifesta nessa falta de determinação, de vontade, apatia… Já tentei contagiar amigos que têm problemas neste domínio a experimentarem correr, porque acredito mesmo que certos processos mentais e padrões só mudam de fora para dentro. O acto, o gesto, o ritual tem impacto na forma de pensar, mas não acredito que a forma de pensar consiga mudar sozinha, por dentro, e reflectir-se em rituais diferentes. Ou seja, se a pessoa esperar por um dia em que lhe apeteça sair da cama para correr de forma consistente e divertir-se muito, bem que pode esperar para sempre, o que acontece a maior parte das vezes. A decisão, o acender do rastilho, exige sair da zona de conforto e é um pouco como ver o corpo fazer algo contra o nosso eu mental ilusório que não se cala com o  “desiste”, o “fica mas é na cama”, o “para quê?”. É revelar outro eu mais primário e que é feliz e infantil e que não fala por palavras.

Advertisements

2 thoughts on “heavy rain

  1. Da maneira como ia a arrastar-me pela lama, o único piropo merecido era “sim, senhora, belo crawl, para a próxima não te esqueças das braçadeiras” 🙂

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s